Motivos para ter criado o Blog:

Mi foto
Eu criei este Blog pra levar a Palavra de Deus a toda criatura. (Marcos 16; 15) Obs.: É por meio deste Blog que eu estou publicando os Estudos que já havia enviado aos meus amigos por e-mail, e aos que não viram todos, aqui terão acesso a eles; pois também foi pelo aumento na demanda de pessoas nos grupos de e-mail que criei o blog. Eu já publiquei os novos, após publicar os anteriores." A Palavra de Deus se renova a cada manhã!", "O céu e a terra passarão, mas as minhas Palavras não hão de passar. - Mateus 24; 35" Um outro motivo pra o blog existir foi por causa de alguns amigos que me incentivaram/estimularam e ajudaram pra que essa idéia se concretizasse e por meio dela, muitas almas sejam alcançadas. Aproveitem este espaço pra conhecer um pouco mais da Palavra de Deus e me ensinar também! Obs.: “Muitas das mensagens que postei fui eu quem “escreveu”, utilizando a Palavra de Deus; e as que não fui eu que “escrevi” completamente ou complementei, procurei citar o nome do autor, e alguns que não coloquei foi por não saber quem é!” Este Blog só existe pra levar a Mensagem do Sofrimento de Jesus na Cruz, que foi por Amor a mim e a você! E não para qualquer outro propósito!

"Mas importa que o Evangelho seja primeiramente pregado entre todas as nações."

Marcos 13;10


sábado, 24 de noviembre de 2012

Poema- Gideão e os seus Trezentos



Era no tempo dos juízes. Todo o povo
desprezara a Jeová. Tinha ido, de novo,
após o deus Baal e dos seus ímpios reis,
do Senhor infringindo as mais sagradas leis!
Israel esquecera os grandes benefícios
que lhe fizera Deus, tirando-o dos egípcios,
onde comera o pão amargo do desterro,
onde gemera sob os látegos de ferro,
onde tudo era vil, onde tudo era morte!

Quanto tempo passou! E agora a mesma sorte
é a de Israel cativo às mãos de Midiã,
sofrendo a mesma dor, em meio ao mesmo afã!
Mas Deus, que sempre vê dos seus o sofrimento,
escuta, da alma aflita, o lúgubre lamento,
pronto para salvar, pronto para servir,
quis ao encontro do seu povo outra vez ir!

Estriando de luz os umbrais do poente,
o sol vai se imergindo, lenta e lentamente,
nas chamas do braseiro enorme que acendeu!
No lagar malha o trigo um moço forte – hebreu.
Parece que, trazendo a luz do sol brilhante,
nas vestes divinais, - um anjo, nesse instante,
aparece a Gideão e o chama pressuroso,
para Israel salvar, indefeso, inditoso!
- Não temas! O Senhor das graças infinitas,
seu povo salvará das mãos dos midianitas!
Vai! Contigo serei por onde quer que fores:
no deserto ou no monte; entre espinhos ou flores;
pelas trevas do vale ou cavernas de horror!

Depois de provas ter que era mesmo o Senhor,
Gideão conclama o povo à guerra decisiva!
Erguendo agora a fronte há pouco então cativa,
trinta mil se dispõem marchar contra o inimigo
e dar-lhe o merecido e mais justo castigo!
Madrugada... Em Moré, no oiteiro, perto ao monte
as tendas de Midiã... Israel, bem junto à fonte
de Haró, se acampa ousado!
Outra vez, com desvelo,
Jeová seu servo instrui, lançando-lhe este apelo:
- Para que tanta gente? Embora tanto seja
o inimigo que corre, indômito, à peleja!
Dize ao povo que volte aquele que quiser,
pois para Deus não é o número mister.
A sua presunção o levará a crer
que a vitória ganhou o seu próprio poder!
Regressaram ao lar milhares. Entretanto,
dez mil firmaram pé. Jeová, mais uma vez,
quis a escolha fazer. Assim quis, assim fez:
- Que o povo às águas desça. E quantos as lamberem
como o cão, - separa-os! Porém, os que beberem
abaixados, com as mãos, - por certo não irão.
Porque o gesto bem prova o fraco coração!
Trezentos foram só que as armas não largaram
para a sede matar. Trezentos que ficaram,
dispostos para a luta em prol da Liberdade!
Avançaram! Na destra - o Facho da Verdade;
vasos de barro – à esquerda, - a fraqueza inimiga
que a justiça de Deus esmaga e desabriga!
Embocando os clarins das hostes divinais,
promovem confusão por entre os arraiais!
Espada contra espada, a si mesmos ferindo,
debandam pelo vale, as montanhas subindo!

Trezentos! – Quais serão os de hoje, separados,
para a Luta enfrentar como fiéis soldados?
Trezentos! – frente ao muro agonizante e triste,
com o Clarão da Verdade e a Espada sempre em riste!
Trezentos! – contemplando os arraiais da orgia,
onde o pecado afoga e a carne tripudia!
Trezentos! – avançai! e as almas cristalinas
ganhai para o Senhor! Por montes e colinas,
por vales e vergéis, correi, ó gideonitas,
e achareis ouro e pedrarias e pepitas
de alto preço e valor, para o Engaste bonito
da Coroa de Cristo – o Gideão Bendito!


Alfredo Mignac


Juízes 7; 1-25: Gideão com trezentos homens vence os midianitas
Então Jerubaal (que é Gideão) se levantou de madrugada, e todo o povo que com ele havia, e se acamparam junto à fonte de Harode, de maneira que tinha o arraial dos midianitas para o norte, no vale, perto do outeiro de Moré. E disse o SENHOR a Gideão: Muito é o povo que está contigo, para eu dar aos midianitas em sua mão; a fim de que Israel não se glorie contra mim, dizendo: A minha mão me livrou. Agora, pois, apregoa aos ouvidos do povo, dizendo: Quem for medroso e tímido, volte, e retire-se apressadamente das montanhas de Gileade. Então voltaram do povo vinte e dois mil, e dez mil ficaram. E disse o SENHOR a Gideão: Ainda há muito povo; faze-os descer às águas, e ali os provarei; e será que, daquele de que eu te disser: Este irá contigo, esse contigo irá; porém de todo aquele, de que eu te disser: Este não irá contigo, esse não irá. E fez descer o povo às águas. Então o SENHOR disse a Gideão: Qualquer que lamber as águas com a sua língua, como as lambe o cão, esse porás à parte; como também a todo aquele que se abaixar de joelhos a beber. E foi o número dos que lamberam, levando a mão à boca, trezentos homens; e todo o restante do povo se abaixou de joelhos a beber as águas. E disse o SENHOR a Gideão: Com estes trezentos homens que lamberam as águas vos livrarei, e darei os midianitas na tua mão; portanto, todos os demais se retirem, cada um ao seu lugar. E o povo tomou na sua mão a provisão e as suas buzinas, e enviou a todos os outros homens de Israel cada um à sua tenda, porém os trezentos homens reteve; e estava o arraial dos midianitas embaixo, no vale. E sucedeu que, naquela mesma noite, o SENHOR lhe disse: Levanta-te, e desce ao arraial, porque o tenho dado na tua mão. E, se ainda temes descer, desce tu e teu moço Purá, ao arraial; E ouvirás o que dizem, e então, fortalecidas as tuas mãos descerás ao arraial. Então desceu ele com o seu moço Purá até ao extremo das sentinelas que estavam no arraial. E os midianitas, os amalequitas, e todos os filhos do oriente jaziam no vale como gafanhotos em multidão; e eram inumeráveis os seus camelos, como a areia que há na praia do mar. Chegando, pois, Gideão, eis que estava contando um homem ao seu companheiro um sonho, e dizia: Eis que tive um sonho, eis que um pão de cevada torrado rodava pelo arraial dos midianitas, e chegava até à tenda, e a feriu, e caiu, e a transtornou de cima para baixo; e ficou caída. E respondeu o seu companheiro, e disse: Não é isto outra coisa, senão a espada de Gideão, filho de Joás, varão israelita. Deus tem dado na sua mão aos midianitas, e todo este arraial. E sucedeu que, ouvindo Gideão a narração deste sonho, e a sua explicação, adorou; e voltou ao arraial de Israel, e disse: Levantai-vos, porque o SENHOR tem dado o arraial dos midianitas nas nossas mãos. Então dividiu os trezentos homens em três companhias; e deu-lhes a cada um, nas suas mãos, buzinas, e cântaros vazios, com tochas neles acesas. E disse-lhes: Olhai para mim, e fazei como eu fizer; e eis que, chegando eu à extremidade do arraial, será que, como eu fizer, assim fareis vós. Tocando eu a buzina, eu e todos os que comigo estiverem, então também vós tocareis a buzina ao redor de todo o arraial, e direis: Espada do SENHOR, e de Gideão. Chegou, pois, Gideão, e os cem homens que com ele iam, ao extremo do arraial, ao princípio da vigília da meia noite, havendo sido de pouco trocadas as guardas; então tocaram as buzinas, e quebraram os cântaros, que tinham nas mãos. Assim tocaram as três companhias as buzinas, e quebraram os cântaros; e tinham nas suas mãos esquerdas as tochas acesas, e nas suas mãos direitas as buzinas, para tocarem, e clamaram: Espada do SENHOR, e de Gideão. E conservou-se cada um no seu lugar ao redor do arraial; então todo o exército pós-se a correr e, gritando, fugiu. Tocando, pois, os trezentos as buzinas, o SENHOR tornou a espada de um contra o outro, e isto em todo o arraial, que fugiu para Zererá, até Bete-Sita, até aos limites de Abel-Meolá, acima de Tabate. Então os homens de Israel, de Naftali, de Aser e de todo o Manassés foram convocados, e perseguiram aos midianitas. Também Gideão enviou mensageiros a todas as montanhas de Efraim, dizendo: Descei ao encontro dos midianitas, e tomai-lhes as águas até Bete-Bara, e também o Jordão. Convocados, pois, todos os homens de Efraim, tomaram-lhes as águas até Bete-Bara e o Jordão. E prenderam a dois príncipes dos midianitas, a Orebe e a Zeebe; e mataram a Orebe na penha de Orebe, e a Zeebe mataram no lagar de Zeebe, e perseguiram aos midianitas; e trouxeram as cabeças de Orebe e de Zeebe a Gideão, além do Jordão.



Que Deus em Cristo vos Abençoe!

Fraternalmente,
Erica Carla